domingo, 13 de maio de 2018

Até um artigo positivos sobre os 70 anos de Israel perpetua um erro perverso contra o sionismo

por José Roitberg

Inexiste algo mais importante politicamente que controlar o passado para controlar o futuro. Não importa o que aconteceu. Importa a narrativa histórica aceita pelo público.

No sábado a Globo e o G1 publicaram um longo artigo sobre os 70 anos de Israel e sua independência. Historicamente correto e um dos raros momentos em que as paginas da Globo em anos recentes não recorreu ao viés demonizador de Israel.

Eu pensei muito antes de escrever este post. Deveria eu atribuir o tal erro perverso, à propaganda antissemita? Deveria eu atribuir o tal erro perverso à ignorância? Quem me acompanha sabe: eu sempre vou para o lado da propaganda partidária emblemática. Mas neste caso, num artigo de um monte de parágrafos absolutamente corretos, apenas um ponto, que eu atribuo ao SUCESSO de décadas de propaganda racista contra Israel pelos detratores dos judeus e do Estado dos Judeus, aliado a uma VITÓRIA PALESTINA em controlar o passado, deixando a perversidade introjetada no pensamento até de gente bem intencionada quanto à questão.

"David Ben Gurion assinou documento do Museu de Arte de Tel Aviv em cerimônia de 32 minutos, perante apenas 200 pessoas, às 16 horas de 14 de maio de 1948. Divisão da Palestina, aprovada pela ONU, nunca foi aceita por líderes árabes; guerra teve início no dia seguinte", é o olho do artigo, o texto para chamar a atenção do leitor após o titulo. Onde está o erro?

Talvez boa parte dos leitores já tenha lido duas ou três vezes e não encontrou erro nenhum. Alguns talvez digam: 'Ah, parece que  Israel é quem começou a guerra...', mas ao longo do texto o início da guerra com o ataque árabe está bem pautado e esclarecido.

O erro que meus amigos e leitores podem não ter encontrado está em "DIVISÃO DA PALESTINA". Isto está conceitualmente errado e ainda assim os líderes políticos e religiosos judaicos dentro e fora de Israel continuam cometendo-o, e com isso dando o CONTROLE DO PASSADO ao Hamas, à Autoridade Palestina, a OLP, ao Irã, à Síria e a tantos outros. Mesmo os sionistas do século 19 e início do 20 falavam "Palestina", por falta de outro designativo adequado, mas falavam de uma futura Palestina Judaica e não de uma Palestina Árabe existente.

A ONU promoveu a Partilha da Palestina do Mandado Britânico, este era o nome. Não havia um país chamado 'Palestina' e a área britânica do mandado era composta por várias divisões administrativas com outros nomes adotados pelo Império Turco-Otomano entre 1475 e 1917. Neste período que podemos chamar de 'moderno' nunca houve um país lá, mas DEZ províncias administrativas (NO MAPA). É fundamental saber que o Império Turco-Otomano (muçulmano sunita) nunca denominou nenhuma das regiões administrativas como 'Palestina'.

Mapa-dos-Sanjaqs-turcos-da-região-atual-de-Israel,-Jordânia,-Síria-e-Líbano

Antes disso, retornando ao Imperador Adriano (Hadrian 76-138 DC)  no século 2, também nunca houve um país lá. Adriano, o primeiro grande genocida de judeus, matando mais de meio milhão, segundo Cassius Dio (156-235 DC) historiador oficial romano que publicou 80 volumes sobre a história do Império Romano, é quem removeu dos mapas o nome JUDEIA que existia até então e criou o no Syria Palaestina, mas não como um país, e sim como um província romana.

No mesmo momento Adriano riscou o nome de Jerusalém dos mapas e redenominou a cidade de Aelia Capitolina. Um nome incompreensível para a maioria, mas bem simples: Capital de Aelius, ele mesmo, cujo nome completo de nascimento era Publius Aelius Hadrianus. A tradução literal de capitolina é capitólio.

Pela verdade, em 1947, a ONU chamou oficialmente a região de Palestina, pura e simplesmente.

Eu tenho a compreensão de que os líderes políticos e religiosos judeus, os líderes sionistas judeus e evangélicos tinham PREGUIÇA de falar Palestina do Mandado Britânico após 1920, e diziam apenas Palestina. Não podiam imaginar como seus textos e discursos seriam utilizados contra eles no futuro, no controle do Passado, coisa que os governos de Israel desprezam desde o início afirmando que não vale a pena disputar a guerra da informação, apenas a guerra real. Erro grave, pois há muitos anos os inimigos de Israel já venceram a guerra da retórica e a cada ano que passa, mais pessoas bem intencionadas aprendem os conceitos históricos errados. Este Adriano que matou meio milhão de judeus entrou para a história ocidental como um dos "5 imperadores romanos justos de bondosos".

Desta forma no texto positivo da Globo temos a existência de um local ou país, chamado Palestina, que foi divido e parte dele usurpado pelos judeus.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Toda infraestrutura militar do Irã na Síria foi destruída

ataque contra irã na síria
por José Roitberg

As forças de defesa de Israel (IDF) lançaram um ataque em larga escala contra os alvos militares pertencentes a Força Qods da Guarda Revolucionária Iraniana no território da Síria na noite desta quarta para quinta-feira dias 9-10 de maio. Quds é o nome em árabe para Jerusalém e Qods é a escrita em farsi, língua persa do Irã.

Segundo a nota oficial do porta-voz do IDF, os seguintes alvos foram atacados:

- Locais iranianos de operação de unidades de inteligência militar da Força Qods.

- Sistemas de inteligência associados à Força Quds (antenas, radares, estações de rádio e monitoramento digital e de frequências analógicas).

- Quartel-general de logística da Força Qods (coordena movimento de tropas, suprimentos, transporte de munições e transportes militares em geral).

- Base militar iraniana ao norte de Damasco (capital da Síria).

- Locais de armazenamento de armas, munições e outros equipamentos da Força Qods no Aeroporto Internacional de Damasco.

- Postos militares e armas pesadas da Força Qoods, instaladas na Zona Tampão entre a fronteira de Israel e o interior da Síria.

- O lançador de mísseis utilizado para disparar contra Israel no dia 9 foi destruído.

- As baterias antiaéreas sírias foram atacadas e dispararam contra os aviões israelenses mísseis. No decorrer da ação foram destruídas baterias, radares e sistemas de lançamento de mísseis antiaéreos SA5, SA2, SA22 e SA17 do exército da Síria.


Vídeo de um míssil israelense atingindo um caminhão com bateria antiaérea SA 22 na Síria.

Todos os aviões de Israel voltaram às bases em segurança. Segundo fontes russas, que monitoraram o ataque, a incursão foi realizada por 28 aviões que lançaram, pelo menos 60 mísseis. O IDF também declarou que o comando militar russo na Síria foi avisado do ataque israelense.

missil 3

O IDF declarou que o ataque foi em resposta ao lançamento de 20 mísseis no dia 9 contra bases militares no norte de Israel pela Força Qods. Todos foram interceptados pelas baterias do Domo de Ferro e nenhum atingiu o território israelense. Que por sua vez foi uma retaliação iraniana ao ataque israelense do dia 8 contra a base de Al Kiswa ao sul de Damasco onde estavam 200 modernos mísseis Fateh 313 iranianos (na foto acima) recém-chegados ao cenário da guerra. Estes mísseis são de ataque ao solo, com alcance de 500 km e precisão de alvo aprimorada. Ali, de onde estavam podiam atingir qualquer ponto do território israelense, jordaniano e até mesmo o Canal de Suez. Eram uma ameaça real e desestabilizadora. Existe uma informação não-confirmada de quem um brigadeiro-general da Guarda Revolucionária estaria entre os 7 mortos no ataques do dia 8. Com este, já passa de 26 o número de generais iranianos mortos na Guerra da Síria. Já se compreendeu que os oficiais superiores iranianos vão para o combate e para a frente de batalha.

Anunciando o ataque após sua realização, o ministro da defesa de Israel, Avigdor Lieberman anunciou que praticamente toda a infra-estrutura militar iraniana em território sírio foi destruída. “Se chover sobre nós, vocês serão afogados numa enchente”, declarou Lieberman.

Em termos de legislação internacional temos um caso mais complicado. Qualquer ataque israelense contra território sírio, ou sírio contra território israelense é permitido pois a Síria nunca assinou sequer o armistício da Guerra de 1948-49, estando os dois países em estado de guerra permanente desde então. Mas o Irã não está em guerra aberta contra Israel, apesar de latir há quase 30 anos que irá varrer Israel do mapa, apoiar financeiramente e politicamente o Hamas com ajuda do Catar (único país muçulmano sunita) aliado do Irã e ter implantado o Hezbollah em solo libanês durante os 25 anos em que a Síria ocupou o Líbano.

O cidadão ocidental precisa compreender que o Hezbollah recém vencedor das eleições gerais libanesas, não é libanês e sim iraniano. Hizb e farsi é partido, partido político. Existe uma tendência ocidental de publicar o nome Hizballah, erradamente como Hezbollah, para descaracterizar intencionalmente a relação o nome com Allah. Hizballah é tão somente o Partido de Deus, o braço político da Revolução Iraniana do Aiatolá Kohmeini, sendo um dos tripés do regime xiita. Os outros dois são o Conselho Supremo dos Aiatolás (clérigos, pois o regime é uma estranha teocracia-democrática) e a Guarda Revolucionária (um grupo militar acima do exército e todas as outras forças armadas do Irã). Por este aspecto, o Irã está em guerra não-forma com Israel há décadas.

E nos últimos quatro anos também está em guerra contra a Arábia Saudita, Egito, Jordânia, Sudão, Barhein e UAE, travada em território do Iemen.

O ataque de hoje não significa o inicio imediato de uma guerra convencional entre Israel e Irã.

As reações internacionais são no mínimo curiosas. A Casa Branca condenou o ataque de ontem do Irã contra o norte de Israel e apoiou a reposta israelense de hoje. O novo secretário de estado norte americano, Mike Pompeo, declarou apenas o seguinte: “Causem danos à Israel e os Estados Unidos vão responder”.

O primeiro-ministro do Barhein, Al-Khalifa declarou que “qualquer país da região tem o direito de se defender” e apoiou o ataque israelense contra a presença iraniana na Síria. Jamais o Barhein, emirado árabe muçulmano sunita, havia apoiado uma ação do IDF.

O Hamas, apesar de ser muçulmano sunita radical, o grande apoiado pelo Irã xiita e que também ameaça desde sua criação como Irmandade Muçulmana de Gaza, matar todos os judeus de Israel, corajosamente apenas emitiu uma nota de repúdio ao ataque do IDF e o Hizballah, com seus 100 mil mísseis e vitória eleitoral no Líbano está quieto até o momento da publicação deste editorial.

Dentro de casa, o bizarro partido político Meretz, o 'psol de Israel' liderado atualmente pela parlamentar Tamar Zandberg declarou que irá "boicotar a inauguração da embaixada americana em Jerusalém". Assim é até melhor pois dispensa o governo de Netanyahu da vergonha de ser obrigado a convidar estes parlamentares. Mas pela verdade, precisamos declarar o seguinte: O inexpressivo Meretz com suas 3 cadeiras no Knesset é um partido de esquerda socialista fragmentado ideologicamente como PSOL. Existem os membros que querem o que acham melhor para Israel e também os que querem o melhor para os inimigos de Israel. Para entender quem é Tamar Zandberg, imagine o PSOL sendo presidido pelo Babá!

quarta-feira, 2 de maio de 2018

ENTEBBE DE PADILHA TINHA QUE TER ORIGEM PARA O ROTEIRO. VOCÊ VAI SE SURPREENDER COM O CERNE DA QUESTÃO.


por José Roitberg
O filme de Padilha tem o roteiro retirado do livro “Operation Thunderbolt: Flight 139 and the Raid on Entebbe Airport,” (2015) do professor doutor Julian Saul David pela universidade de Glasgow e professor da universidade de Buckingham. É considerado como uma das maiores autoridades em história militar e de forças especiais, com 12 livros publicados. A especialidade dele é analisar e explicar as tomadas de decisões feitas nos momentos cruciais no campo de batalha.
No livro, ele diz que Yoni Netanyahu (na foto) não tomou parte do planejamento de Entebe e que disparou contra um soldado de Uganda, contra as ordens do comandante da missão, quase fazendo o ataque falhar. O jornal Haaretz publicou em 24 de março uma entrevista com David Saul e o Haaretz elogiou o fato do filme não mostrar heroísmo das tropas de Israel. Ainda afirma que se Yoni não tivesse morrido, Israel não teria Bibi Netanyahu como político.
Não consegui descobrir se Saul David é judeu ou não, apesar do nome. Em nenhuma biografia dele é citada a religião ou a de seus pais.
A origem desta questão do livro de Saul David não é uma criação ou descoberta dele ou de suas pesquisas. Está mais para uma fraude acadêmica. O jornal israelense Yedioth Ahronoth, publicou um artigo no dia 2 de abril de 2007 (isto mesmo, há 11 anos atrás, e 8 anos antes do livro de Saul David), restabelecendo a verdade sobre o Raid em Entebe.
O artigo é baseado no material da jornalista Ariella Ringel-Hoffmanm que entrevistou 15 membros da tropa de elite Sayeret Matkal que estiveram em Entebe, no dia 4 de julho de 1976. Eles foram unânimes em afirmar que Yoni Netanyahu era o comandante da missão.
Os ataques contra Yoni vieram de outro participante da operação, Muki Betser, que por 20 anos (entre 1986 e 2006) afirmou que ele era o verdadeiro comandante da missão e não Yoni Netanyahu. Muki acusou Yoni de ter quase comprometido a missão com o tal disparo contra o soldado de Uganda como citado no livro de Saul David de 2015.

Assim, podemos claramente estabelecer uma linha de tempo para o livro de Saul David e o filme de Padilha. Saul David encontrou nas pesquisas dele as declarações publicadas pelo coronel Muki Betser ao longo de 20 anos e DECIDIU que estas declarações eram a expressão da verdade, construindo outra narrativa para a Operação Thunderbolt. Muki Betser encontrou acolhida para sua versão no jornal Haaretz, mas outras mídias israelenses o qualificaram como mentiroso e falsificador da história.
Os 15 membros da operação entrevistados por Ringel-Hoffman, desacreditaram todas as declarações de Muki Betser. Enquanto isto o jornal Haaretz de 16 de junho de 2006 (12 anos atrás) publicava um artigo assinado por Amir Oren onde se lê: "A dolorosa verdade, é que os comandantes de Netanyahu e seus amigos foram os primeiros a tentar esconder que a contribuição dele a operação foi marginal e negativa."
A pesquisa de Ringel-Hoffman também demonstrou que ao longo de 20 anos as declarações de Muki Betser mudaram, foram diferentes, e ilógicas.
É muito claro, hoje em dia, em que o papel de destruição do governo de Israel pelo jornal Haaretz e pela esquerda judaica é amplamente conhecido, que as ações de 2006 quando dos 30 anos de Entebe, para desmoralizar então o partido Kadima e o Likud foi uma destas atitudes horríveis, lesa-pátria e traidoras, promovidas pelos donos, funcionários e patrocinadores do Haaretz e 11 anos depois, esquecidas as origens da questão, o sr professor doutor Saul David a recoloca, desta vez em mídia mundial através do filme de Padilha, ovacionado pelo próprio Haaretz que muito justamente pode cantar vitória nesta questão.
O irmão mais novo de Yoni, Iddo Netanyahu, publicou em 2006 o livro "Sayeret Matkal at Entebbe: The Testimonies, Documents, Facts", com 718 páginas, já Muki Betzer escreveu o livro "Secret Soldier: The Autobiography of Israel's Greatest Commando," (Soldado Secreto: a Autobiográfica do Maior Comando de Israel), em 1996, no caso, ele mesmo é o maior de Israel.